Venda privada de vinho: o protesto de Dominique Fenouil

O homem com quem falámos recentemente estava em cólera. O diretor-geral da cadeia de lojas Le Repaire de Bacchus, Dominique Fenouil falou-nos daquilo que considera serem práticas desleais. Cedemos-lhe esta tribuna para se exprimir. O website vente-privee.com – uma vez que é dessa empresa que se trata – utiliza, segundo ele, práticas desleais.

 

Venda privada de vinho: atirar poeira para os olhos

A técnica é bastante conhecida e, nestes tempos de crise em que os vinhos não são fáceis de vender, funciona muito bem. O objetivo é “dar o golpe” com um determinado vinho, vendendo-o sob grande empolgação, com um preço nada em conformidade com o seu estatuto habitual. Entretanto, explica-se ao niticultor que é uma publicidade fantástica, pois terá grande visibilidade graças aos 12 milhões de endereços e-mail contactados.

 

Venda privada de vinho: atirar poeira para os olhos 

Dominique Fenouil passa ao ataque, incansável: “Em média, as garrafas selecionadas são vendidas a - 40 %. Hiper atrativa para o consumidor, este tipo de venda apresenta, no entanto, efeitos secundários perigosos. Primeiramente, para o vinhateiro que nunca mais poderá vender a sua garrafa ao preço de mercado a esses consumidores ávidos de promoções. Seguidamente, para os canais de distribuição, dos quais a Le Repaire de Bacchus faz obviamente parte. Os nossos clientes que viram uma garrafa à venda a 9 € naquele website nunca irão comprá-la a 15 € nas nossas lojas”.

 

Venda privada de vinho: casos concretos 

Exemplos de venda privada de vinho catastróficos em termos de imagem? O champanhe Moutard vendeu 6 000 garrafas em alguns dias e prejudicou prolongadamente a sua imagem ao ponto que as vendas caíram vertiginosamente, nomeadamente na rede Repaire de Bacchus que o referencia. A prestigiada Maison Delas no vale do Rhône cedeu um excelente Ermitage da sua gama a um preço irrisório (24 €). Foi desastroso em termos de imagem, chegando mesmo a ser um suicídio segundo Dominique Fenouil.

 

Venda privada de vinho: os preços baixos não são uma panaceia!

Que meios colocar em ação para pôr fim a estas práticas que desequilibram um mercado já frágil? Um dos mais eficazes é, naturalmente, dar a palavra aos empresários do vinho, tal como fizemos a Dominique Fenouil. Não temos nada contra as vendas de vinho na Internet. Esse meio de comunicação tornou-se incontornável! Estamos apenas a dizer que é preciso esperar e não estar sistematicamente a atrair multidões com tarifas super reduzidas, às quais os vinhos de qualidade não se acomodam facilmente.

Comprou vinhos em venda privada na Internet? Faça-nos chegar os seus comentários!

 

Legenda da foto:

Dominique Fenouil: “Respeitar o vinho é vendê-lo a preço justo”

© Direitos reservados