Dakota Johnson: “Para descontrair a atmosfera, abra uma garrafa de Chablis ou de Merlot”

A estrela da saga “As Cinquenta Sombras de Grey” não é apenas sexy no ecrã. É igualmente atraente no dia a dia. Sobretudo quando evoca, para nós, a sua relação sensual com o vinho!

  

Perguntam-me frequentemente qual é lugar onde mais gosto de ficar em todo o mundo? Respondo sem qualquer hesitação: Paris!!! Durante a rodagem de “As Cinquenta Sombras Mais Negras”, fomos lá com a produção! Foi mágico! Tinha a sensação de estar num filme antigo! Só faltavam cantores e dançarinos à minha volta sob a chuva! Era um sonho antigo gravar ali! Pudemos, nomeadamente, gravar uma cena na Ópera. O que foi ainda mais extraordinário foi que o monumento foi privatizado só para nós! É um momento que jamais esquecerei! Entre a gravação de duas cenas, íamos ao restaurante. Não se tratava de nenhum palácio parisiense.

O sítio era pequeno e não era assim muito atrativo. Contudo, era muito acolhedor. Lembro-me que nos serviam o vinho num jarro! No início, estava um pouco cética. Pensava cá para mim: “Meu Deus, deve ser um vinho de péssima qualidade, uma mistura abominável”. Aliás, devo confessar que tinha bastante medo de provar, até descobrir que, finalmente, o vinho que me tinham servido era excelente. Sabe, nós, nos Estados Unidos, ainda estamos muito agarrados aos rótulos. Pensamos que se estiver lá escrito “Château Qualquer Coisa” é porque é forçosamente bom!”. Foi preciso ir para França para entender que não devemos confiar nas aparências!”. Eu, quando bebo um vinho fantástico, gosto que haja o pacote todo. Um vestido bonito, sapatos de salto alto, batom, música, o fogo a crepitar na lareira, uma voz quente e um tanto ao quanto rouca, tudo isso ajuda a criar um ambiente de mulher fatal.

Mas o que permite – julgo eu – descontrair realmente a atmosfera é abrir uma garrafa de Chablis ou de Merlot, ou outra qualquer. Isso titila as papilas gustativas e, além disso, dá-lhe mais leveza. Aliás, não é preciso gastar fortunas. Já não me recordo quem disse: “O melhor vinho não é forçosamente o mais caro, mais aquele que partilhamos!”.

 

Frank Rousseau

15/02/2018